Christian Philosophy

O que é filosofia cristã?
Entrevista com Ralph Henk Vaags

O que é filosofia cristã?
- Não é fácil esclarecer precisamente o que filosofia cristã é. Esclarecer o significado de filosofia em si já é um problema filosófico, mas algumas tentativas podem ser feitas. Se nós já tivermos uma noção do que filosofia é ou deve ser, podemos então dizer que a filosofia cristã é uma filosofia que é desenvolvida em harmonia com uma interpretação cristã de vida ou visão cristã de mundo. Como um cristão interpreta a vida é muito condicionado pela pessoa que faz a interpretação. Contudo certas coisas são crenças centrais dentro da fé cristã, como por exemplo que Deus existe, que Deus é uma trindade, que Jesus levantou-se dos mortos, que nós somos salvos através da fé em Jesus Cristo. Variações relacionadas a este tipo de crenças são relativamente pequenas.

Mas isto não seria misturar filosofia com religião, ou mais especificamente cristandade? Como alguém pode combinar uma fé cristã com filosofia?
- Eu pensei que a filosofia fosse sobre razão e não sobre a fé...Há algumas pessoas que encontram um problema aqui. Há ceticismo entre meus colegas de filosofia. Contudo, vários filósofos importantes encaram diferentemente. Há obviamente desafios, como acontece com qualquer filosofia ou interpretação de vida, mas isto não é algo especial da filosofia cristã. Acreditar é algo que nós todos fazemos e os filósofos não são exceção. A palavra “acreditar” para mim é uma expressão neutra e não precisa ter nada a haver com religião. Eu acredito que a cadeira onde me sento não vai se quebrar em 5 segundos, que a minha esposa me ama, etc. É quando especificamos no que acreditamos que desentendimentos podem surgir. Ao menos não há problema ou algo raro no fato de acreditarmos em algo.

OK. Parece ser razoável até aqui, mas o que falamos aqui é uma fé religiosa, mas precisamente uma fé cristã. Uma fé religiosa é um tanto diferente e é o que parece preocupante – que você está tentando combina a fé cristã com a filosofia. Como isto é possível?
- Se nós aceitarmos a proposição que a fé cristã implica no ato de manter algo como verdade, então oque nós consideramos verdade pode ser um objeto de reflexão filosófica. Eu não estou dizendo que a fé religiosa é somente uma questão de manter algo como verdade. Contudo manter algo como verdade é uma parte importante disso e também parece ser uma presunção para acreditar em um significado mais compreensivo e religioso. Desenvolver uma filosofia cristã é o projeto de criar ou contribuir à uma visão de vida bem pensada e geral, onde as crenças centrais dentro da fé cristã tenham um lugar natural. Nós usamos reflexão filosófica – que inclui argumentação – para alcançar este objetivo.

Nós usamos portanto o mesmo método de qualquer outro filosofo e o nosso resultado tem que cumprir com os mesmo requisitos rigorosos que devem ser estipulados para qualquer boa filosofia. Há uma variedade de perspectivas e visões dentro da filosofia e a controvérsia é grande. Esta variação e diferenças podem ainda estar dentro dos limites do que nós chamamos de “boa filosofia”. Nosso projeto é desenvolver uma filosofia cristã que também seja boa filosofia.

Isso soa como um projeto exigente. Como podem ser combinadas – coisas importantes dentro da fé cristã por um lado e filosofia por outro lado?
- Ninguém vem para a filosofia com folhas de papel em branco. Nós criamos para nós mesmos uma variedade de crenças antes de nós começarmos a refletir de modo filosófico. Algo, contudo, entra em movimento quando alguém reflete sobre a crença que alguém carrega consigo mesmo – ao menos se alguém for racional. A filosofia me levou a uma fé cristã – e me fez desde então mais confiante e consciente em relação a minha própria fé. Há com certeza filósofos que descrevem a realidade diferente de mim – uma realidade onde, por exemplo, Deus não tem lugar. Há ateus racionais e eu não tenho nenhum problema em respeitar sua filosofia. Nós no Instituto de Filosofia Cristã, contudo, temos um diferente ponto de partida e nossa pesquisa é sobre tentar desenvolver ou contribuir com uma interpretação cristã racional de vida.

Mas isso não é desistir da ideia de uma filosofia livre e independente?
- Não há um ponto departida neutro ou um processo de reflexão neutro. Quando os filósofos naturalistas proclamam que eles não querem crenças religiosas, eles não estão de modo algum mais livres e independentes do que os filósofos cristãos. Nós fizemos uma decisão filosófica de olhar para a possibilidade de uma filosofia cristã. Tem haver com um projeto filosófico. O naturalista tenta fazer filosofia baseada em outras suposições. Por exemplo, os naturalistas assumem que nós não devemos descrever ou explicar alguma coisa referindo-se a algo além da natureza. Este é um projeto que é OK. Contudo, nós não estamos compromissados com tal projeto e não há nada de novo em escolher um outro. A Historiada Filosofia nos mostra vários filósofos importantes que presumem ou que chegam à conclusão que Deus existe. Não há motivo para acreditar que uma filosofia naturalística ou ateia em principio deva resultar em uma filosofia melhor do que a filosofia cristã. Se é ou não uma questão de boa filosofia deve ser julgado relativo ao que é produzido. Filósofos contemporâneos mostram vários exemplos de boa filosofia que também é filosofia cristã – por exemplo a filosofia que nós encontramos no trabalho de Richard Swinburne, William Lane Craig, Alvin Plantinga, Michel Henry e William Alston.

Por que este foco na filosofia cristã?
- Nossa filosofia contemporânea está profundamente influenciada pelo naturalismo. Eu mesmo sou treinado dentro deste paradigma filosófico e não tenho problema algum em entender as suposições básicas que são inclusas nisso. Ao mesmo tempo eu vejo que alguns filósofos usam isso como uma plataforma para critica da religião – em particular da cristandade. A perspectiva naturalista poderia para um iniciante em filosofia ser vista como a única ou claramente a melhor perspectiva. Uma pessoa pode facilmente acabar com apenas “um olho”, como por dizer. Porque estes estudantes, isto emergirá como “o que a filosofia realmente é”. Eu acredito portanto que é importante termos uma pluralidade e abertura aqui para que os estudantes e outras partes interessadas possam ver que a filosofia não implica em ateísmo ou rejeição da religião. Também há a filosofia cristã e ela dever ser visível.

Parece razoável. Mas a cristandade também pode ser errada –pode ser falsa?
- Absolutamente. Nenhuma religião é necessariamente verdadeira. O mesmo pode ser dito sobre o ateísmo e o naturalismo. Eu creio que uma boa atitude básica de um bom filosofo é ser humilde em relação à verdade. Nós não somos donos da verdade, mas buscamos a verdade. Isso significa estar aberto à possibilidade de estar errado. Até agora, contudo, ninguém produziu nenhuma objeção decisiva à filosofia cristã ou cristandade. Pelo contrario, nós vemos um numero de filósofos proeminentes que produziram vários argumentos que apoiam a interpretação cristã de vida. Hoje a filosofia cristã está em forte desenvolvimento no mundo. Vários filósofos proeminentes de nossa época anunciaram que são cristãos e publicaram contribuições significantes à filosofia cristã.


A Filosofia Crista e as Críticas do Novo Ateísmo